Pular para o conteúdo principal

PANTHEON

Também chamado de “O templo de todos os Deuses” o Pantheon foi transformado em igreja e tornou-se o símbolo de Roma. É um belo edifício com seu imponente interior abobadado. Seu verdadeiro tamanho e beleza podem ser apreciados somente do interior.  A altura e o diâmetro da rotunda são iguais: 43,3 metros. O orifício no topo do domo, o Oculus, fornece a única luz existente.  Esta maravilha da engenharia romana é devida ao imperador Adriano (118-125 d.C.) que a projetou para substituir um antigo templo.

Oculus

O Pantheon sofreu muitas dificuldades logísticas em sua construção.

As colunas de granito utilizadas no pórtico foram obtidas no Egito romano. Cada uma tem 11,9 metros de altura, 1,5 metros de diâmetro e pesa 60 toneladas. Cada uma delas foi arrastada por mais de 100 quilômetros da pedreira até o rio Nilo em trenós de madeira.  Depois, navegando em barcaças somente durante a cheia da primavera — quando o nível da água estava mais alto — chegaram aos portos no Mediterrâneo, onde foram embarcadas em navios para a viagem até o porto romano de Óstia.  Dali, novamente em barcaças, seguiam para Roma pelo rio Tibre. Depois de desembarcarem perto do Mausoléu de Augusto, ainda precisavam ser arrastadas por mais 700 metros até o local do Pantheon.

O interior da cúpula foi desenhado para simbolizar a abóbada celeste.  O oculus e a porta de entrada são as únicas fontes de luz natural no interior. No decorrer de um dia, a luz do oculus passeia pelo espaço num movimento inverso ao de um relógio de sol. O oculus serve ainda como sistema de resfriamento e ventilação do edifício; durante chuvas e tempestades, um sistema de drenagem no piso remove a água que escorre pela abertura.

Pelo interior, a cúpula é formada por caixotões, em cinco anéis de 28 unidades cada. Este espaçamento uniforme é difícil de conseguir e parece ter um significado simbólico.

As grandes portas de bronze da cela, que no passado eram banhadas a ouro, são antigas, mas não são originais. Pequenas demais para os batentes, estão ali desde o século XV.

É uma das mais bem preservadas estruturas romanas antigas e permaneceu em uso por toda a sua história.  Quase dois mil anos depois de ter sido construído, esta cúpula é ainda hoje a maior cúpula de concreto não reforçado do mundo.

Dois reis da Itália estão enterrados no Pantheon:  Vítor Emanuel II e Umberto I.

Rafael, a seu próprio pedido, foi enterrado aqui em 1520.

O Pantheon continua sendo utilizado como igreja católica e missas são celebradas no local aos domingos e dias santos, assim como casamentos.