Pular para o conteúdo principal

CAPELA SISTINA

A Capela Sistina é o mais grandioso dos trabalhos de Michelangelo, com episódios do Velho Testamento e o Juízo Final.

O nome deve-se a seu fundador o papa Sisto IV. As paredes recebem afrescos de alguns dos melhores artistas dos séculos XV e XVI, como Michelangelo, Perugino e Botticelli.

As 12 pinturas nas paredes laterais mostram episódios paralelos da vida de Moisés e Cristo.

A decoração das paredes da capela foi concluída por Michelangelo, que também acrescentou o maravilhoso afresco da parede do altar, O Juízo Final.

Desde a época de Sisto IV, a capela tem servido como lugar tanto para cerimônias religiosas como para uso de funcionários envolvidos em relevantes atividades papais. É o local onde se realiza o Conclave, o processo pelo qual um novo Papa é escolhido.

O Juízo Final

Considerada a obra-prima da maturidade de Michelangelo.  Foi feita sobre uma parede inclinada para evitar que a poeira assentasse.

A pintura representa as almas dos mortos subindo para encarar a ira divina. Na verdade a obra transmite a atitude atormentada do artista em relação a sua fé. As figuras são apanhadas em um redemoinho. Os mortos são arrancados dos túmulos e arrastados para enfrentar Cristo, o Juiz. Os condenados são lançados ao encontro dos demônios, no inferno. Caronte, empurrando as pessoas de seu barco para as profundezas do reino de Hades e do juiz infernal Minos, são figuras do inferno de Dante. (Minos recebeu orelhas de burro e é um retrato do cortesão Biagio da Cesena, que se opusera às figuras nuas no afresco).

O auto-retrato do artista pode ser reconhecido na pele que São Sebastião segura.

A obra ilustra a crença do artista de que o sofrimento é essencial para manter-se a fé em Deus.

O Juízo Final

Afrescos de Parede

Os afrescos começam no altar da capela e representam cenas das vidas de Moisés (à esquerda) e Cristo (à direita). Cada afresco consiste em uma série de cenas unidas ao tema central. Símbolos ocultos ligam cada pintura a seu correspondente na parede oposta.

Em Punição dos Rebeldes, de Botticelli aparece o arco de Constantino ao fundo e o próprio artista é a penúltima figura à direita.

Em Entrega das Chaves a São Pedro, de Perugino, Cristo confere a Moisés autoridade espiritual ao dar as chaves dos Reinos do Céu e da Terra. O edifício com o domo dourado representa o Templo de Jerusalém e a igreja fundada por Pedro, o primeiro papa.

Em Tentações de Cristo, de Botticelli, o diabo está disfarçado de monge franciscano. No canto esquerdo estão os retratos de Botticelli e Fillipino Lippi.

No painel Travessia do Mar Vermelho  a água é vermelha. Comemora a vitória do papa em Campomorto, em 1482.

Afrescos de Parede

 

O Teto

Michelangelo pintou os afrescos do teto da capela para o papa Júlio II entre 1508 a 1512. Os temas são tirados do Antigo Testamento (exceto pelas sibilas, que aparecem porque dizia-se que haviam profetizado o nascimento de Cristo).

Obs.: Sibilas eram mulheres que possuíam poderes proféticos sob inspiração de Apolo (mitologia greco-romana).

A parte central do teto retrata cronologicamente a história do livro Gênesis.

  1. Deus separando a luz das trevas.
  2. A criação do sol e da lua.
  3. Deus separando a terra das águas.
  4. A criação de Adão.
  5. A criação de Eva.
  6. O pecado original e a expulsão do paraíso.
  7. O sacrifício de Noé.
  8. O dilúvio universal.
  9. A embriaguez de Noé.

 

Teto da Capela Sistina (clique para ampliar)

Anos depois da inauguração da Capela, em 1508, Michelangelo foi chamado a Roma pelo então papa Júlio II para esculpir o mausoléu desse Papa, mas acabou sendo convidado a pintar o teto da Capela Sistina.

Segundo se conta, Michelangelo teria aceitado o trabalho contrariado, convencido de que era mais escultor que pintor. Ele julgou que, pintar o teto, foi um conluio de seus rivais para desviá-lo da obra para a qual havia sido chamado a Roma: o mausoléu do Papa. No entanto, Michelangelo dedicou-se à tarefa e o fez com tanta maestria que ofuscou o brilho das obras-primas que seus antecessores já haviam pintado na Capela. Realmente, os afrescos no teto da Capela Sistina são um dos maiores tesouros artísticos da humanidade.

Detalhe – Criação de Adão

Michelangelo demorou quatro anos para terminar esse trabalho e o fez com grande dificuldade, pois teve que trabalhar deitado em cima de um andaime de 16 metros de altura e pintar sobre sua cabeça. Isso fazia que a tinta pingasse em seu rosto o dia todo. Ao final do dia, ele tinha cãibras a tal ponto que mal conseguia ler as cartas que seus familiares lhe enviavam.

Quando ele estava pintando um canto escuro do teto com extraordinário afinco e esmero, alguém lhe perguntou: “Por que você se esforça tanto a pintar um canto escuro do teto, que possivelmente ninguém olhará?”, Michelangelo simplesmente respondeu: “Deus verá”.