Pular para o conteúdo principal

CASA BATLLÓ

A Casa Batlló é assim chamada porque foi propriedade de um rico empresário da área têxtil, Josep Batlló, que contratou o arquiteto Gaudí para reformar.

A fachada principal, tal como o interior do edifício, capta a atenção do espectador com os inúmeros detalhes e as originais ondulações do telhado e dos balcões, que parecem simplesmente brotar da parede plana.

Em Barcelona, a casa é conhecida como A Casa dos Ossos, devido ao formato dos balcões exteriores, que se assemelham a um crânio.

O trabalho de Gaudí reflete um estilo muito pessoal, que busca inspiração em formas orgânicas da natureza. Gaudí criou uma nova fachada, com muros ondulados, sobre os quais colocou seu característico trencadís (fragmentos de cerâmica e vidros quebrados), acrescentando um maravilhoso colorido e relevos à fachada principal.  Admirar o prédio, a partir da calçada, é como ver um enorme quadro impressionista, onde é possível imaginar a superfície do mar, brincando com os reflexos da luz do sol.

No alto do prédio, a torre coroada com uma cruz de quatro braços lembra a espada de Sant Jordi atravessando o corpo do dragão, uma referência a São Jorge, padroeiro da Catalunha.  Essa é uma das interpretações dadas para a fachada da casa Batlló, onde as colunas em forma de ossos e as janelas que lembram caveiras simbolizariam as vítimas do dragão, antes de ser morto por São Jorge.

A parte superior do telhado assemelha-se ao dorso de um réptil (seria um dragão?) e suas escamas. O dorso do dragão equilibra esteticamente quatro grupos de sinuosas chaminés situadas no terraço da casa.

Outra interpretação mais amena da obra de Gaudí está relacionada ao Carnaval, onde os detalhes de mosaicos e cerâmicos representariam confetes, no teto estaria o chapéu de arlequim e nas janelas as máscaras de carnaval. Em 2005 foi declarada Partrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO.