Pular para o conteúdo principal

METROPOLITAN MUSEUM OF ART

O Metropolitan aloja uma coleção que é considerada a mais ampla do mundo ocidental. Abriga coleções de todos os continentes e suas obras partem dos tempos pré-históricos e chegam aos dias de hoje.

Foi fundado em 1870 por um grupo de artistas e filantropos que queria uma instituição de arte para competir com as da Europa.

O Met, como é também chamado, é um dos mais prestigiados centros culturais do mundo, sendo comparado em importância ao Louvre, ao Museu Britânico e ao Vaticano. Recebe cerca de 5 milhões de visitantes por ano.

Entre os tesouros do museu estão uma vasta coleção de arte americana e mais de 3.000 pinturas da Europa, entre elas obras-primas de Rembrandt e Vermeer. Há também muitas peças islâmicas e a maior coleção de arte egípcia do mundo fora do Cairo.

O Departamento de Armas e Armaduras é um dos mais populares do museu, tendo como um dos cartões de visita o grande desfile de armaduras no primeiro pavimento do prédio desde 1975.

Alguns destaques

Templo de Dendur: templo egípcio construído pelo imperador Augusto que foi resgatado das ruínas há milhares de anos. Foi cedido ao museu como um presente do governo do Egito.

Templo de Dendur

Auto-retrato de Rembrandt (1660): Rembrandt pintou quase 100 auto-retratos. Neste ele tinha 54 anos.

Auto-retrato de Rembrandt

George Washington atravessando o Delaware, de Emmanuel Leutze(1852).

George Washington atravessando o Delaware – Emmanuel Leutze

Aristóteles com busto de Homero, de Rembrandt van Rijn.

Aristóteles com busto de Homero – Rembrandt

Galeria de pinturas de Claude Monet.

Relevos assírios do palácio de Ashurnasirpal II;

Jovem mulher com jarra d’água, de Jan Vermeer;

Jovem senhora em 1866, de Edouard Manet;

Retrato de Gertrude Stein, de Pablo Picasso (1905-06): o retrato da escritora americana mostra a influência das artes africana e romana, através do rosto que parece uma máscara.

Retrato da princesa de Broglie, de Ingres (1853): foi a última obra de J.A.D. Ingres.

Autumn Rhythm, de Jackson Pollock;

Catedral de Salisbury, de John Constable;

Juan de Pareja, de Diego Velásquez;

A Colheita, de Pieter Bruegel, o Velho.

Ciprestes, de Vincent Van Gogh (1889): foi pintado um ano antes de sua morte. As pinceladas em espirais marcaram suas últimas obras.

Díptico, de Jan van Eyck (1425-30): Eyck foi um dos primeiros mestres da pintura a óleo.

Pátio e Jardim Chinês Astor (na ala da Ásia);

Vista de Toledo, de El Greco.